30 de nov de 2001

Criteria



Esse ai é o logo da banda de "doom-gótico-black-metal-medieval-neoclássica-violão-chelo" de um parceiro meu, o Fernando. Ele me mandou um rascunho e eu fiz o lay out, fiquei satisfeito com o resultado e foi maneiro de fazer, por isso coloquei aí do lado.

Joe Skaggs, meu novo herói

Tenho um novo heroi e o nome dele é Joey Skaggs.

O cara faz um trabalho muito bom com fraudes midiáticas. Ele cria umas paradas muito do nada e convence a imprensa de que é verdade. Ele era um hippie louco nos anos 70 e hoje ele ganha dinheiro dando palestras e consultorias sobre o questionamento da realidade. Perfeito, eu quero ser igual a ele quando crescer!

Os teóricos do caos podem ficar um pouco aborrecidos por que o cara não é invisível, pelo contrário ele é meio que uma estrela da área, mas o grande barato é que ele usa isso pra gerar ainda mais desinformação.

Entre as empresas que ele já conseguiu enganar configuram o NYTimes, a BBC e a Globo (!). Tem umas piadas muito boas e são exatamente aquilo que eu vivo pregando de "ambiente de não-significado", conspiração contra a realidade e a tênue linha entre a mentira e a verdade.

Lindo, chorei e tudo quando li.

Entre as boas piadas (que foram levadas a sério por muita gente) estão:

+ O Cemitério Performático;

+ colocar um sutiã gigante no monumento do George Washington no dia dos namorados;

+ puteiro para cachorros (vende até camisa!);

+ Maqdananda, o advogado do mundo espiritual (resolvendo juridicamente seus problemas de outras vidas).

Entre muitas outras, vale a pena dar uma olhada pra ver as merdas que o cara aprontou.
Joe Skaggs é gente que faz!

24 de nov de 2001

A vida como ela é

Já reparam que a mídia há algum tempo se voltou para o homem comum? Para a não estrela?

Claro que sim. Todo mundo já viu o sucesso que têm feito programas como "No Limite". Tem outras coisas que se incluem nesse pacote que são mais difíceis de se perceber. Karaoke por exemplo é mais uma ode ao homem comum. Aquele programa da MTV latina "Jackass" também. São uns caras comuns fazendo (e comedo as vezes) merda e só.

Somando o time dos óbvios estão o "vinte e poucos anos" da MTV, que é a versão nacional do Na Real. Acho que foram eles quem inauguraram a onda. Eu pelo menos num lembro da nada antes, mas quem consagrou foi o tal do "Survivor" de onde No Limite foi copiado e que, por sua vez, é cópia de um outro programa. Traduzindo, eu não consigo traçar precisamente onde isso começou.

Onde eu realmente não sei, mas acho que consigo especular o porquê. Pra mim isso é uma reação natural ao excesso de glamour que a mídia vinha trazendo. Parece que as pessoas cansaram de ver atores super maquiados vivendo e falando de formas completamente irreais e passaram a preferir algo "gente igual a gente". O que eu sei é que substituriam até o clássico cantor de churrascaria pelo videokê.

Disso eu tiro duas conclusões. A primeira segue o princípio da ação e reação (que é clara nas artes e na mídia) e aposto que a nova febre vai ser um produto ultra fake e caricato. Acho que o intermediário dessa transição é a "Casa dos Artístas", que segue o formato dos "vida real" mas com gente nem um pouco real. A segunda conclusão eu já tinha há tempo, só veio a ser reforçada: a vida real é chata pra caralho! Ou ainda, eu odeio videokê.

Sob um teto malvado e sobre um piso ruim

Eu não sei se foi sempre assim. Precisaria de uma pesquisa histórica mais aprofundada para saber. Mas hoje em dia, o homem comum, trabalhador, profissional liberal, enfim, nós, somos oprimidos, achatados, por um teto e um piso.

O teto é a política, que nos oprime de cima pra baixo, com a corrupção e a destruição da mais valia do trabalhador comum, acabando com a distribuição de renda justa e com nossos direitos, se é que um dia tivemos algum. O voto, que é por onde o homem comum institui o "teto" é uma armadilha populista, pois é ineficiente como sistema. Essa irracionalidade ponderada é parte da idéia da democracia. É muito fácil para o teto estimular a ignorância e perpetuar-se no poder que eles criaram pra si através da desculpa do voto. Isso faz pensar naquelas máximas sobre o poder corromper as pessoas.

O piso é a marginalidade, que oprime de baixo para cima. O homem comum vive o medo da violência urbana, do assalto, do seqüestro e de todo tipo de perigo instituído por uma camada dita menos favorecida da sociedade. Por que dita? Porque se nós analisarmos um pouco as manchetes percebemos que os grandes crimes e as grandes violências são praticadas por pessoas com alguma instrução e capacidade de trabalho, mas que sabe que o salário possível para eles não daria conta de seus desejos super-estimulados. Eles estão certos, não estão aceitam a opressão do teto. É uma rota alternativa, só que ao invés de retalhar o teto quem é sofre é o meio termo.

Fica difícil tomar uma posição contra ou a favor do crime quando você percebe certas coisas. O óbvio, que é recriminar (o que só torna algo crime duas vezes), é fácil demais pra ser o certo. Nada disso muda o fato de que existe a opressão do piso. O pior é que existem também as conexões entre o teto e o piso que tornam ambos mais fortes em seu serviço. Temos que pensar se essa conexão se dá por fora ou por dentro do homem comum, se ela atravessa o nosso plano. Se for, também temos culpa no cartório e creio que temos mesmo. O silêncio estimula muito certas coisas.

Existe a marginalidade oriunda da miséria real? Claro, mas essa não tem o vil planejamento, que é o que faz similar o teto e o piso. Ambos planejam, engendram projetos, criam cenários e afins. A marginalidade da ralé desempregada e faminta vive como que na selva, um dia depois do outro apenas tentando sobreviver. Esses são tão ou mais vítimas do que nós, se é que existem vítimas, pois quem tem fome pouco pode refletir. A verdadeira opressão de baixo pra cima vem da marginalidade estruturada, ardilosa e plena de recursos físicos e mentais para trabalhar suas idéias.

Sabe por que eu questionei a existência de vítimas? Porque creio que qualquer um faria o mesmo se tivesse oportunidade. Faz parte da nossa criação: sucesso e poder a qualquer custo. Não há discurso ético que me convença do contrário. Óbvio, existem as exceções e como eu as amo. Quero ser exceção também, todos temos que ser, pois como está não é lá essas coisas.

23 de nov de 2001

O bom do Viagra

Hoje eu tava lendo a revista Nova (a melhor revista de putaria do mercado! Gente, como eu amo putaria) e tinha uma matéria sobre dúvidas masculinas sobre sexo. Fora me ajudar com alguns grilos particulares, vi um troço interessante. Parece que um dos efeitos colaterais do Viagra é que você fica vendo tudo numa matiz azulada devido a uma substância que ele contém.

Putz, isso é legal! Como nós enchergamos num padrão RGB + tons de cinza, eu fico imaginando se não seria legal certas drogas no mercado que alterassem nossa visão por algum tempo pra ver o mundo diferente. Matizes de azul (paz), vermelho (raiva), verde (calminho, calminho), ou ainda, que inibissem os nossos cones (as células que prismam as cores) e ficássemos vendo tudo em p/b. O nome dessa seria Anos 40! Ia ser interessante e de repente ia até mostrar alguma coisa paras pessoas. Algo como: o mundo é aquilo que você vê e você pode ver qualquer coisa com o aditivo correto. Que liberdade!

Presente de pobre

Olha só o que eu fiz, gente!
Eu e a Carol fizemos 5 anos de namoro esse mês e em adendo teve o aniversário dela no dia 22. Como, para variar, eu não tinha dinheiro pra comprar um presente legal eu fiz um site/cartão comemorativo. Tem desenhinho e tudo! Dêem um olhada nela!

21 de nov de 2001

Os 5 maiores

Os cinco últimos grandes ídolos solitários do mundo são: Leonard Cohen, David Bowie, Lou Reed, Iggy Pop e Brian Eno.

Eu sei que que estou forçando a barra, mas fazer o que? Desde a época deles que não rola um cara (ou mulher) que se afirmasse tão bem como músico sozinho(a). No cenário pop ainda existe esse tipo as pencas, mas a galera que curte outras mídias ficou presa a bandas, grupos, coletivos e esse tipo de coisa. Ninguém mais tem coragem de se laçar sozinho.

Lembrei, tenho pouca coisa do Brian Eno. Audiogalaxy, ai vou eu!

O dono do mundo

Parece que realmente só existem 2 formas de ver o mundo: o bom e o mal humor. Quem me conhece sabe que sou mais pela primeira, mas fui atacado pela segunda. Como tenho um problema imenso com a inércia fica difícil sair desse estado.

Tem gente que associa músicas a esses momentos. O Rafael do Meyer sempre fala do Leonard Cohen. A galera Darkuzinho sempre apela para os mais básicos, tipo Bauhaus, Joy Division, Lacrimosa e essas coisas. Estou falando isso porquê não consigo ouvir música nenhuma quando estou maus. Música, uma das coisas que mais amo no mundo (logo junto dos brinquedos), está diretamente ligada a felicidade.

Nesse estado tudo o que consigo ouvir é um eterno lamento urbano, parece que todos estão com câncer e murmurando entre os dentes sua dor. Pior que alguns estão mesmo. A parte interessante é que são as mesmas pessoas que vejo radiantes de felicidade quando estou bem. Dá-lhe realidade subjetiva. O mundo é meu mesmo e pronto. Acho que é por isso que tenho que ficar bem logo, afinal tenho que cuidar bem do que é meu.

Quando montei o meu blog o Rafael do Meyer me perguntou se eu ia tentar dominar o mundo. Prontamente eu respondi: "Rafael, meu caro. A gente só deseja o que não tem ainda".

Quem é esse Pokemon?


É isso ai garotada! Chegou o Pokemon #666, nosso novo amiguinho Baphomon! Ele vai aprontar uma confusão dos diabos ao lado da sua turminha infernal: Astarothmon, Lilithmon e Belzebumon. Em breve você poderá comprar todos os produtos da linha Baphomon: estojos, camisetas, mochilas, álbum de figurinhas e facas de sacrifício. Seja a primeira criança da sua rua a ter todas as cores!

O Baphomon nasceu da seguinte forma: meu irmão, o Raphael definiu a minha mente como um Lorde Baphomet (aquele da mitologia Templária) cercado de pokemons pulando alegremente ao seu lado. Então eu pensei em juntar as duas coisas e fazer um desenho que me definisse mais ou menos. Falta uma referência muito grande de minha pessoa que é a putaria. Eu adoro putaria. Então estou pensando em fazer uma versão do Baphomon de pau duro, mas eu acho que vai atrapalhar nas vendas.

19 de nov de 2001

Dead Kennedys no Brasil



É isso Ai!
Parece que é sem o Jello Biafra, o que tira 80% da graça, mas acho que vale a pena ainda assim.
Tem um conhecido meu que toca no Uzômi, eu fiz a capa do cd da outra banda dele, uma de reagge chamada Terral. Ele deve estar radiante.
Já repararam que tem imagens em meu blog agora?

A falha de paradoxo da inversão de polaridade

Tudo é mais difícil de fazer com um dedo só,
Salvo derrubar a carreira de dominó!

Com o pâncreas aperto sua mão,
com a orelha faço a digestão,
quem bombeia meu sangue não é o coração,
é o omoplata que tem essa função!

É pelo pêlo
que eu ouço o cotovelo
falar ao meu cabelo
trabalhe o ano inteiro
para não perder o emprego!

18 de nov de 2001

NIN e SNZ

Estou ouvindo agora o fragile do NIN. Bacana só por que é o NIN mas, na boa, os caras são uma repetidora do Eisteurzende Neubauten. Soa idêntico ao End Neu!

Aliás, o Squirrel Nut Zippers continua sendo a minha banda favorita da última semana! Só que já há alguns meses. Tenho que arrumar alguma nova banda favorita.

Calamidade e Alita

Tenho um novo herói favorito de anime: Vash Stampido ou Calamidade na legenda. O cara é de um anime chamado Trigun. Muito bom o cara é completamente louco! Está na minha galeria junto com o Spike (Cowboy Bebop), Bolt Crank (Eat-Man) e o Kurama (do YuYu hakusho).

Recomendo a galera que curte anime dar uma olhada. A qualidade da animação cai para caralho no episódio 4 (só vi até o 7, não sei dai pra frente), mas depois volta a ficar legal pra um seriado de TV. A história vai bem também.

Ok, ok. É um subproduto de CowBe, mas ainda assim tem umas tiradas boas e o visual do Vash é muito foda. Agora, mais do que nunca, eu quero comprar o boneco dele na coleção do Tod McFarlane.

Depois que assisti Trigun peguei para rever uma fita que tenho onde está um OVA de YuYu hakusho e depois Battle Angel Alita. Caralho, como Battle Angel Alita é foda! Aquele maluco que luta com um martelo turbina é muito maneiro! É sério, tem uma turbina na arma do cara! Os bonecos de BAA - ou G.U.N.M. em japonês, meu irmão disse que os kanjis desse título significam "Sonho de uma Arma", é tão lindo que me dá até contade de chorar - estão na minha imensa lista de compras.

16 de nov de 2001

O maior colon do mundo

Eu e a Carol, desde que vimos o filme Os Outros, ficamos viciados em procurar fotos e daguerrótipos de gente morta na internet. Aquele costume do final do século 19 início do 20 que alguns chamam de memento mori. Se alguém souber algo legal manda pra gente.

Aliás, o nome do meu domínio naquele jogo maluco de administração é Sleeping beauty em referência a um livro de fotos desse tipo. Meu reino é de mortos vivos, claro. Alias acabei de enfiar a porrada num reio de homens lagartos que estavam tentando me jogar um praga. No jogo apenas, espero.

Enfim, em nossas buscas achamos uma foto do maior colon - uma parte do intestino - do mundo. Brother, o troço era enorme! Devia ter uns 6 metros e uns 60 cm de diâmetro, a própria legenda falava que pareceia um verme de areia de Duna e é verdade. Olha o bichão aí:




Tudo isso foi pq eu engrenei uma sequência de tiradas infâmes sobre o cara que tinha aquele colon. Aquilo saiu de dentro de alguém e, você sabe, tecido morto tende a ser menor que o tecido vivo. Logo, aquela merda era ainda maior!

Eu deduzi que o cara morava no COLONrado e trabalhava em COLUMbia, mas a família dele era da COLOMbia. O seriado favorito dele era COLOMbu. Era muito asseado pois sempre usava água de COLONia. Era apaixonado por carnaval e adorava ver as COLOMbinas, assim como gostava de ler sobre Cristóvão COLOMbo. Esqueça tudo isso, a verdade é outra e você verá que ela está la fora, pelo menos agora. Aquilo era um COLONizador alienígena que foi implantado no ânus do fulano qunado ele foi abduzido. Na boa, não era desse mundo. O pior é que o alien saiu inCOLOMe da parada! pois só eu sei a verdade. Bem, e você também agora.

Cuidem de seus colons.

15 de nov de 2001

Dexter de plástico

Vocês já viram os bonequinhos do Dexter que estão vendendo nas lojas?
Muito foda! Caros para caralho, mas vale a pena.
No camelô já tem aquela caixinha com miniaturas de vinil dele, da Deedee e do Mandarke. Eu não vi ainda, mas o Dilson comprou e falou que estão bem feitinhas abeça

Todo mundo leu Dante

Estava lendo um livro de literatura comentada sobre Joyce. É incrível o que a galera não faz para falar bem de qualquer coisa do cara.

Joyce é bacana (eu juro que um dia vou conseguir ler Ulysses inteiro), tem um monte de coisa boa pra falar dele, mas os caras ficam inventando moda. Nesse livro o cara tava falando da larga influência dantesca na obra de Joyce. Para isso ele citava as duas descrições de Dublin - o gueto e a cidade alta - para comparar ao céu e ao Inferno.

Puta que o pariu. Faz parte do processo literário como um todo usar de contraste para tornar mais fácil o entendimento de uma coisa, sendo assim todo mundo tem influência de Dante, ora bolas. O Huxley contrasta a cidade ideal com a selvagem em Admirável Mundo Novo e a miséria e o luxo em contraponto. Sade cria o embate entre luxúria e virtude o tempo todo e este sim é dantesco ao extremo.

Ou seja, o contraste é uma ferramenta de entendimento entre o leitor e o escritor. Algo como: tem isso, mas para você entender com perfeição o que é isso então veja o que não é isso.

Simples assim.

14 de nov de 2001

Lógica de Billy Corgan

Tendo as premissas:

- A esperança é a última que morre;
- Baratas sobrevivem à qualquer coisa;

Logo: baratas são a esperança.

Jogamos agora mais algumas questões necessárias:

- Mulheres não gostam de baratas e por isso nunca gostariam de ter uma;
- Mulheres geram a humanidade;

Logo: a humanidade não gosta de ter esperança.
Agora eu entrendo o Smashing Pumpkins.

Nietzsche e a Guerra do Golfo

Falando na tal guerra, hoje começou a nova contagem regressiva. A Aliança do Norte tomou Cabul e expulsou o Taliban debaixo do nariz dos EUA e nem deu satisfação. Só pra mostrar a que veio.
A contagem regressiva? Até a Aliança do Norte começar a jogar avião nos EUA.

Eu não curto nada do Nietzsche (toda vez que eu tento escrever o nome dele direito fico com a língua presa no teclado) mas essa porra de eterno retorno funciona mesmo às vezes. Quem lembra de Rambo III? Onde o herói americano ajuda o Taliban a livrar o Afeganistão das garras malígnas do Exército vermelho? Tinha que ter exibição pública desse filme, para dar uma refrescada na mente da galera e fazer geral perceber que vai acontecer tudo de novo.

O que vai para o Blog?

Quando eu não tinha Blog e tinha uma idéia legal, na hora pensava: "se eu tivesse um blog eu botava isso lá". Enfim, agora que tenho um blog nada de muito brilhante me ocorre. Acho que o blog me consumiu de alguma forma. Eu tenho que deixar de ser ancioso, é meu segundo dia de Blog!

Essa neura parece um pouco com a de pegar música no Audiogalaxy. Durante o dia eu fico pilhando na mente "chegando em casa vou pegar isso, isso e isso" de noite eu fico olhando solitário para tela azul (que não é da morte) nada me ocorre.

Matadouro nº 5

Semana passada eu li Matadouro nº 5, do Kurt Vonnegut Jr. Putz, muito foda o livro, bacana mesmo, ficção rasteira tipo Perry Rhodan mas recheado de referências as viagens pré-beatnicks alá Burroughs.

Na boa, tem umas mensagens tão maneiras (e tão disfarçadas no esquema) que deixa qualquer livro de auto ajuda no chinelo! Vale a pena ler para aprender a olhar para os bons momentos da vida .

O livro é sobre guerra no final das contas, coisas da vida.

Diminua 2 manequins em 1 mês

Tem uma revista na banca com essa manchete.
Óbvio eles estavam falando de peso, mas pensei numa matéria onde uma mulher gorda pega dois manequins de loja e fica lixando eles durante um mês até eles ficarem pequenininhos.

Sei lá, a idéia me divertiu.

Meu novo Vício

Tenho jogado um desses lances de admistração de reinos on line. Eu tenho um reino e mantenho meus aldeões, treino meus exércitos, me preocupo com os meus recursos e o mais importante: Caio na porrada com outros reinos!

Vale tudo. Tem espionagem, magia e o escambau. Estou combinando com uns amigos de na próxima rodada (rolam tipo umas eras a cada mês mais ou menos) para entrar todo mundo no mesmo lugar (os reinos, ou domínios se agrupam), quem gostar e quiser entrar na nossa trupe me manda um email.

Não sei porque me contagiei tanto o troço. É seco, sem figura nem nada. Só um monte de números e letras dizendo o que aconteceu, mas o treco vicia!
Vai a url ai pra galera!

Dominion

Quem quiser me encontrar é só ir no domínio #131 e ver o sleeping beauty.
Tem um similar (que tem gente que diz ser melhor, mas eu acho mais complicado) que é o Utopia. Se rolar depois eu falo mais desse.

13 de nov de 2001

Eu tenho um blog

Bem, finalmente eu tomei vergonha na cara e montei um blog provisório. Nem sei se alguém vai ler pois estou pensando se anuncio ele ou não. Sacuméquié né: casa de ferreiro espeto de pau, estou trabalhando com internet e não tenho um site, pensando bem é até meio humilhante usar um template, por isso peguei um bem secão.

1, 2, 3 testando

Só porque eu acho que tem muito blog que começa com isso.