25 de jun de 2003

Alemão

Germany
Germany -
Despite a controversial recent history, it has had
a tough and powerful history. A modern-day
technological and cultural beacon, it is still
target to stereotypes and antiquited thoughts.


Positives:

Technologically Advanced.

Culturally Admired.

Global Power.


Negatives:

Target of Historical Fervor.

Constant Struggle.

Funny-Looking Ethnic Clothing.



Which Country of the World are You?
brought to you by Quizilla

17 de jun de 2003

Sejamos justos sobre Wicca e a Escala

Eu nunca curti muito as publicações da Editora Escala. Sei que ela trabalha com uma fatia do mercado que é importante, sempre levando as bancas produtos baratos, mas de qualidade, tanto de conteúdo quanto gráfica, extremamente duvidosa. Ainda assim, dedico esse post a dar-lhes os parabéns pela melhor publicação sobre o tema Wicca jamais vista em terras tupiniquins:



Eu nunca havia visto antes a milenar religião dedicada a Deusa Mãe da terra sendo tratada com toda a seriedade e maturidade que merece.


Já era hora das pessoas pararem de achar que Wicca se resume a um bando de meninas com cabeça de vento que jogam Vampiro: A Máscara, ouvem Heavy Metal Gótico com vocal feminino e assistem Charmed na televisão. Esta na hora das pessoas saberem que Wiccan também gosta de anime! Afinal, como é sabido por todos, Os Celtas tinham um estreito laço com o nobre povo do Sol Nascente. Provas historiográficas mostram, sem sombra de dúvida, que a iniciação mística das futuras sacerdotisas da Deusa Mãe era dada através do baralho do Yu-Gi-Oh, onde elas aprendiam seus primeiros encantamentos e feitiços e depois entoavam o cântico místico e misterioso intitulado: sua vez!

13 de jun de 2003

Sobre a Parede do Rio

Foi divertidinho.

Como eu não fazia nada há muito tempo, fora a minha cruel vida de escravo do trabalho, acabei curtindo alguma coisa.

O som estava uma merda. Acho que só ouvi umas duas ou três músicas boas, mas já descobri que é por que eu cheguei quando o carro do Dama de Ferro (que tava com um som bom, segundo testemunhos) já havia ido para o beleléu.

No mais, foi o perrengue de todo lugar com clima de boate.

Aliás, eu não entendo esses caras que "chegam" nas "minas" já beijando. Isso além de falta de educação é um comportamento extremamente mongol, mas me ocorre que se esse costume se mantém há tantos anos então é por que existem mulheres que topam. Assustador.

Só na Love Parade eu tive que tirar uns três de cima da carol, fora os que chegavam incomodando uns colegas meus que ficaram de pegação a três. Desses momentos, dois foram completamente opostos: num um cara pediu desculpas com toda a boa educação do mundo e no outro (no caso da pegação) o cara veio me dizer que eles "não estavam tendo respeito perante a sociedade". Vocês precisavam ver a dificuldade do cara em falar "perante". Nem respondi nada, mandei ele ir falar com a minha mão e ficou por isso mesmo.

O maior momento da noite foi, sem dúvida, durante a chuva, quando um gordinho nerd com cara de quem nunca tinha posto o pé na rua falou extasiado ao ver a chuva, o telão e a música eletrônica: "isso aqui ta mó ixtaile!". Eu e carol achamos muito fofo e o elegemos a figuraça da noite.

Só fico triste de saber que tinha uma pá de amigos meus lá mas eu encontrei poucos. Só vi Ronaldo, Ph, Daniel, Mosca, Roberta e Chris. Ótimas companias é claro, mas não me incomodaria ter esbarrado com ainda mais gente.

10 de jun de 2003

O horror e o humor

Meu dia começou encontrando um rato morto no banheiro.
Não entendi nada.

Depois, já no ônibus, indo para o trabalho, vejo a placa de um açougue:

Picanha R$9,50 o Kilo
File R$8,50 o kilo

Pensei comigo:

"Caralho! Carne 'ta cara para caralho! Vai se fuder, só vou comer agora a carne mais barata que 'tiver ali!"

Olhei e vi um R$3,50.

"Oba! É essa mesmo" - pensei com entusiasmo.

Só que o item a R$3,50 era carvão.
Não deve ser tão bom assim.

Baba ovo

Eu não gosto muito babar ovo de certos tipos de arte. Não curto desenho realista. Não curto Boris Vallejo, Chris Achielleos e esses outros oitentões por exemplo. Acho brega. Babo sem problemas o ovo da galera mais esquisita, mais cartoon, mais experimental. Jhonen Vazquez e Bruce Tim, só para citar exemplos díspares.

Mas hoje eu vou babar o ovo do Alex Ross. Confesso que no início fui muito reticente quanto a presença dele no mercado. Me parecia uma tentativa pretensiosa e oportunista de forçar um status de arte para os quadrinhos. Status este que os quadrinhos já têm desde que foram criados, pelo menos na minha opinião.

Quando li Marvels pela primeira vez eu torci um pouco o nariz. Achei bonito, mas achei que sem os truques básicos dos quadrinhos os personagens perdiam um pouco da força, embora eu tenha admirado muito algumas cenas pontuais. Numa leitura mais recente de Marvels percebi toda a força que eu não via antes e tenho que confessar: Alex Ross me emociona.

Dando uma folheada na prévia para as origens dos heróis clássicos da DC (que esta nas bancas) , digo a vocês que brotaram lágrimas nos meus olhos.

Alex Ross consegue pegar uns personagens que eu particularmente não gosto e fazê-los ter uma dramaticidade e força mais do que tátil. Super Homem, por exemplo. Como o Bruce Timm (citado acima) falou quando começou a preparar os designs de personagem para o desenho animado do Super Homem: "fazer o Batman ficar legal é fácil, desafio é fazer o mesmo com o Super Homem". Concordo com isso, mas ainda assim já fizeram cagadas homéricas com o Batman (foi mal, Tim Burton. Você é gênio, mas vacila).

5 de jun de 2003

Equação

Muito trabalho. 10 coisas para fazer ao mesmo tempo segundo minha última contagem.

Concluo que blogs seguem o rítmo inversamente proporcional ao da vida do seu proprietário.

Ou eu fico louco, ou eu fico rico. Não sei por qual dos dois eu torço no fim das contas.

Mas este blog nunca vai morrer. Mesmo a equação apontando para um rítimo infinitesimalmente próximo a zero para ele.