9 de jul de 2003

não gosto de reflexões, deixo isso para os espelhos

O maneiro do texto abaixo é que visualmente a mancha gráfica dele ficou toda entrecortada, dando um aspécto de sujo, caótico... Que era bem o meu espírito da hora mesmo (zeitgheist? É assim que se escreve? Eu to falando besteira? Nhá...)...

Adoro o meu poder de recuperação...
O poder que eu tenho de estar mal numa hora e ótimo na outra...
Não muda o fato de que continuo cansado e com muita coisa para fazer, mas já ta tudo muito mais ordenado...

Sim Ronaldo, eu e carol naum estávamos bem... Mas já nos entendemos...
Sim Raphael, eu vou a merda : )))))

O bom de ter um irmão como o Raphael é que ele sempre diz a coisa certa na hora certa. Aprendi a ter um profundo desrespeito a depressão com ele :))) Então quando algum de vcs estiver mal e eu mandar tomar dentro lembrem-se! Devo tudo isso ao meu irmão...

To planejando uns próximos posts bacanas...

Tem novidades e opiniões...
Mas to com preguiça de atualizar blog agora :P

7 de jul de 2003

Fúria, Poder e Liberdade

Não sei dizer se eu, genuinamente, gostei do filme do Hulk por que eu estava numa secura secular de ir ao cinema, ou se é por que o filme realmente é bom. De uma forma ou de outra a película tem lá seus méritos.

Dos “super-heróis” que existem por aí o Hulk é um dos que sempre teve um grande potencial dramático. Até pelo simples fato do Hulk nunca ter sido um super-herói. O Hulk não combate o crime, o Hulk não salva o dia, nem o universo. As vezes que ele o fez foram totalmente circunstanciais, ele apenas estava na hora certa no lugar certo. Exatamente assim é o filme. O filme não cai nos clichês maniqueístas de bem e mal como todos os outros filmes, talvez com a exceção de X-men 2. Bruce Banner é uma figura o tempo todo dualista. Assim como que teme sua outra parte, sente um profundo prazer em vivê-la.

Hulk acaba sendo um filme razoável. Acho a idéia do Bruce ser uma experiência genética do pai dele que então é despertada pelos raios gama desnecessária, mas deu uma boa história no fim das contas.

Também achei desnecessário o super-vilão do final. Porém, o filme me empolgou e nem me liguei na hora. Pior mesmo são os cachorros Hulk, um mais ridículo do que o outro.

No meio dos cortes modernos, das transições de cena “quadrinescas” e outros truques interessantes, sobra um filme que não vai ser lembrado no futuro, mas que merece uma olhada.

1 de jul de 2003

Mesa de luz

Agora eu tenho uma e com isso eu pude finalmente voltar a desenhar.
Estou enferrujado. Meu desenho está pobre e a arte final pior ainda.
Mas é tudo uma questão de pegar ritmo novamente, já é bom só de voltar a desenhar.

No sábado eu fiquei desenhando umas seis horas seguidas. Esse ai é o único que saiu que tenho coragem de mostrar. É uma cena de um RPG que estou jogando. Pouco pode ser mais nerd do que isso.