21 de abr de 2008

Folar e Anfolar, neologismo e atitude

Surgem as ferramentas de informática e, paralelamente, surgem as subculturas em torno. Códigos, etiquetas e tabus brotam no ritmo em que o grupo se expande e demanda um controle inconsciente. É nesse cenário que a língua muda e, viva que é, se adéqua às novas demandas.

No twitter, somos seguidores e seguidos simultaneamente de forma assíncrona. Como a interface é toda em inglês, seguir no twitter é follow. Assim como start aparece sendo conjugado como verbo (eu startei, ele startou), já se fala no twitter o folar e, ainda mais, o anfolar.

O verbo principal aqui ainda é o seguir. Pessoas seguem umas as outras no twitter, mas como se referir ao ato de adicionar alguém como seguido? Seguir, nesse contexto é o estar seguindo, e não o momento em que o botão é pressionado. Para esse ato e, por adição, como sinônimo de seguir nesse contexto, sugiro o verbo folar.

Folar é seguir ou se tornar seguidor de alguém no Twitter, como em:
Eu folo o @garradini.
Eu folei o @gerson.
Nós folamos o @gpavoni.
Eles folam o @interney.

Porém, não vejo o folar caindo no gosto popular e substituindo o seguir em qualquer contexto que seja. Entretanto, fez-se muito necessário o surgimento de um verbo que significasse deixar de seguir alguém, o ato. O clique na opção remove ganhou mais importância do que uma nova adição. O momento atual do twitter é de formação da sua realidade particular, da sua esfera de interesses. Nesse momento, os early adopters da ferramenta que se adicionaram mutualmente para testar os recursos que surgiam repensam suas relações e que uso querem dar para o twitter. Anfolar surgiu com peso por se fazer cada vez mais necessário.

Anfolar, ou desseguir, é o ato de tornar alguém invisível no twitter. Alguém que você experimentou e não percebeu razão para manter entre os seus fornecedores de informação, seja lá qual for o viés dado à ferramenta.

Anfolar é saudável por manter a assincronia do Twitter. Nem sempre se é seguido por quem seguimos e vice-versa. Esse mapeamento torna o Twitter diverso e livre, uma rede em que todos os nós são relacionados não é necessariamente mais eficiente, mas com certeza mais pesada e difícil de administrar.

Eu anfolo. Você anfola?

20 de abr de 2008

300 do Twitter

Prometi no twitter que faria uma entrevista com o meu seguidor de número 300. Como sou um cara de sorte, este não foi um robô, ou apenas um curioso que cria uma conta, adiciona meia dúzia e não vê sentido na ferramenta. O meu trecentésimo seguidor foi o Rigonatti.

Talvez o fruto maior do caráter disruptivo do Twitter seja o de fazer as pessoas se conhecerem através de idéias rápidas e assíncronas. Com isso sua network cresce de forma saudável e cheia de valor. Rigonatti é consultor em tecnologias móveis, mantém o blog mobile life e num papo sobre twitter, o universo e tudo mais, mostrou uma visão certeira da ferramenta. Infelizmente, o log da conversa não foi salvo pela péssima extensão em flash para o gtalk que usava no meu Fire Fox. Esse tópico foi escrito em cima de lembranças vagas, mas com muita boa vontade.

Para Rigonatti, a grande vantagem do twitter é manter poder controlar o conteúdo que se vê. Diferente de ferramentas como o Orkut, cujo o sucesso em muito está ligado ao seu potencial para fofoca, no twitter não há obrigação de acompanhar os comentários de alguém que não consideramos interessante. Junte isso a possibilidade de trancar seus comentários para os desconhecidos e pronto, uma ferramenta onde você só vê e é visto por quem você quiser.

"Talvez por isso o Twitter nunca vá fazer tanto sucesso quanto o Orkut", especula Rigonatti, que não tem profile no rede social do google há anos. Ainda segundo o consultor "a ferramenta (orkut) além de não ser boa é mal usada pelas pessoas". Quando o assunto volta para o Twitter, Rigonatti lembra que a ferramenta é o que você quiser fazer dela, toda informação do twitter é opcional e o usuário não é obrigado a ver nenhum conteúdo que não queira. Sendo assim, é possível tornar uma parte do twitter invisível, assim como desejamos muitas vezes que invisíveis fossem certos membros de comunidades online de que participamos.

No fim do papo, Rigonatti concordou comigo que o grande diferencial do twitter em relação a outras ferramentas é que "no twitter eu escolho os meus idiotas", o que, em termos de internet, é um diferencial e tanto.

19 de abr de 2008

Como dar presentes a um nerd

Aproveitando a proximidade do meu aniversário (dia 26 próximo, não se esqueça), publico uma idéia antiga que mofava no meu backlog de postagens. Acredito ser um conteúdo útil, posso estar salvando a vida de namoradas, ficantes ou alguma maria-nerdeira de plantão.

Em linhas gerais, o presente perfeito para um nerd é a uma referência. O presente pode ser a referência em si, algo que facilite o acesso a referência ou um correlato qualquer. A questão central é o que presente para o nerd pode ter pouco valor em si mesmo, pois seu valor real estará na sua relação com outra coisa. Esta "outra coisa" que está ligada ao presente em questão pode ser de qualquer natureza. Como ficou bem claro no tópico sobre o Kaká, o ser nerd é uma forma obsessiva de se relacionar com o conhecimento, seja ele qual for.

Um nerd não percebe o valor material de um anel de ouro da mesma forma como as pessoas percebem. Ele obviamente reconhece o valor intrínseco de uma jóia, sabe que ouro é ouro e este vale dinheiro. Porém, entre um anel de ouro qualquer e uma reprodução do anel um do Senhor dos Anéis ou do anel esmeralda dos Lanternas Verde, ele vai se interessar muito mais pela jóia faz parte do seu imaginário.

Qualquer um pode dar um DVD de Blade Runner, mas só um verdadeiro interessado dá o DVD de Blade Runner para o nerd que leu o conto original de Phillip K. Dick ou jogava RPG com um personagem chamado Decker. Nerds apreciam o esforço das pessoas em entrar no universo de referências deles na hora de dar o presente. O verdadeiro presente é participar do imaginário do nerd, ou pelo menos demonstrar algum interesse pelo mesmo.

Hoje em dia, com a popularização da cultura nerd, a figura do nerd solitário, que não tem com quem trocar figurinhas não é mais tão forte. Porém, o nerd ainda vai perceber mais facilmente o seu interesse por ele caso você demonstre algum interesse pelo assunto favorito dele.

Nerds, mesmo que discretamente, têm um caráter evangelizador em relação a seu assunto de interesse. Por isso, se alguém se preocupa em entender do que se trata a obsessão do nerd em questão, ele vai se sentir como um iluminado que leva um pouco de saber para pessoa. O nerd vai sentir que houve uma troca, e acredita que quem o presenteou vai levar uma parte dele consigo. O nerd acredita se misturar com suas próprias referências. Se você passou a entender um pouco mais sobre futebol para comprar aquele guia de resultados dos campeonatos italianos para seu amigo nerd da bola, o seu amigo vai acreditar que agora você o entende melhor.

Para o nerd não basta gostar, tem que participar!

14 de abr de 2008

Ação Social RJ - Livros

Recebi este e.mail do Eduado do Instituto Imaculada:

Um S. O. S. aos amigos benfeitores, e a todos que direta ou indiretamente estão ligados a nós.
Houve uma mudança de Editora e consequentemente dos livros no Colégio onde a maioria dos internos do Instituto estudam. Com isso precisamos de ajuda para aquisição dos livros. Somente os dois da Alfabetização estão com o material completo.
Estou enviando em anexo a lista detalhada. Se for possivel para alguém, mesmo que seja um único livro, entre em contato antes para me avisar. Estou enviando esta mensagem pra muita gente.
Em anexo relação de livros com informação sobre a Editora dos livros, " FTD ".
Abraço a todos.

José Eduardo da M. Ribeiro


Se você quer colaborar ou tem um bom contato na Editora FTD, entre em contato comigo ou diretamente com o Eduardo em institutoimaculada[arroba]uol.com.br.