5 de ago de 2011

Leitor de mim mesmo

As vezes paro para ler coisas antigas desse blog.

Não sei se rejeito os meus antigos "dramas existênciais" (facilmente catalogados pelo meu cinismo tardio como "coisa de frutinha") ou agradeço por ter tido qualquer tipo de intensidade na minha vida em algum momento.

Sempre na cabeça que não posso abrir mão de nada que eu fui se eu gosto do que sou.

De todas as viagens, a mais perigosa é imaginar Romulo do passado versus Romulo do presente. Acho que eu perderia para mim mesmo de uma forma ou de outra. O Romulo do passado batia melhor, mas o Romulo do presente é um pouco mais pesado e cascudo. O Romulo do futuro estaria apenas assistindo e pensando "mas que dupla de retardados, ora veja você".

Um comentário:

Gilberto Pavoni Junior disse...

tenho medo de quem não muda.